Quando o último rio secar,
a última árvore for
cortada e o último peixe
pescado,vão entender
que dinheiro não se come.

O provérbio, atribuído a um cacique nos idos de 1855, ainda reverbera forte nos dias atuais. A humanidade vive seu maior dilema, de harmonizar as relações humanas, respeitar a diversidade e colocar fim no direito isolado de alguns perante outros.

O 19 de abril, Dia do Índio, remete ao dia em que delegados indígenas, representantes de várias etnias de países como o Chile e o México, reuniram-se, em 1940, no Primeiro Congresso Indigenista Interamericano. Essa reunião tinha o propósito de discutir várias pautas a respeito da situação dos povos indígenas após séculos de colonização. No Brasil, três anos depois, a data foi instituída via decreto-lei, em 1943, pelo então presidente Getúlio Vargas.

A partir de então, ocorrem anualmente as celebrações, marcadas pela tentativa de resguardar direitos, cultura e garantias sociais das comunidades. Há uma outra data, 9 de agosto, reconhecida como o Dia Internacional dos Povos Indígenas, lembrado em 9 de agosto.


Crianças indígenas Kuna deslocadas por conta dos
conflitos armados na Colômbia. Foto: ACNUR/ B.Heger
E.T: ( e mesmo assim, sorriem, olhos de esperança)

A voz das mulheres —
Na edição de 2019, a ONU Mulheres uniu-se a todos os povos indígenas no mundo, para garantir que as mulheres e as meninas indígenas tenham voz nos diversos espaços políticos, civis, sociais, econômicos e cultur
ais que ocupem, conforme lembrou a agência das Nações Unidas.

No site da instituição há material completo sobre os desdobramentos dessa iniciativa. O certo é que resguardar esse direito integra o reconhecimento da igualdade que nos une, como membros de uma mesma família. A capacidade feminina para a paz é poderosa, pois  mas que outros elas conhecem na pele os desafios em cuidar e proteger. No silêncio de seus sonhos maiores, que a voz de nossas meninas e mulheres vença todas as barreiras. Isto também não tem preço.

Aqui estão inclusos três importantes ODS, e que nessa década dourada até 2030 possamos atingir as principais metas.

Link da agência ONU para leitura completa da matéria de 2019: Clique AQUI